CURADORIA

A história das coleções e museus testemunha, há pelo menos quatro séculos, o surgimento das atividades curatoriais e de gestão em torno das metodologias de seleção, estudo, salvaguarda e comunicação de seus acervos. Engloba os atos de observar, coletar, tratar e guardar que, ao mesmo tempo, implicam em procedimentos de controlar, organizar e administrar.

A adequada preservação de coleções científicas integrantes de uma estrutura/gestão museológica, necessita de metodologias próprias, bem definidas e em consonância com a legislação vigente, para que, possa cumprir seus objetivos e missões socioculturais estabelecidos.

A Coleção de Macrofósseis é formada por uma equipe interdisciplinar, coordenada por museólogos, que vem desenvolvendo metodologias de curadoria de coleções científicas, que envolvem ações de conservação, documentação e comunicação voltadas à salvaguarda do patrimônio fossilífero.

O fóssil, compreendido, legalmente, enquanto patrimônio da União necessita ser salvaguardado e investigado da melhor forma possível, para que, com isso, possa cumprir seu papel de testemunho da história e evolução da vida em nosso Planeta. Para tanto, sua preservação pode acontecer em seu local de origem (in situ) ou afastado (ex situ), ou seja, em espaços oficialmente destinados a esta prática, como, por exemplo, as Coleções e os Museus.